Ano Novo: Tempo de Refletir e Planejar - 01/01/2017

Ano Novo é sempre assim: um monte de informações que viraram história no decorrer do ano inteiro revisitado naqueles programas de retrospectiva. Mas o fim do ano também se mostra como uma janela de esperanças: no ano que vem, prometemos concluir aquilo que era para este ano, fazer o que deveríamos ter feito neste ano etc. A certeza de um novo ano é um alento para todos que não conseguiram realizar o que planejaram.

O texto de Deuteronômio 8 nos apresenta, dentro do segundo discurso de Moisés diante do povo, instruções para que este viva bem na terra que agora tem diante de si. Depois de 40 longos anos pelo deserto, chegou a hora de habitar no lugar que Deus prometera, sob juramento, aos antepassados. O texto já começa relembrando o passado. O que Moisés salienta neste seu discurso é que o povo não poderia esquecer algumas coisas, agora que teria uma terra para morar. Contemplar o novo não significa, de modo algum, esquecer o passado.

A primeira coisa que o povo é convidado a lembrar é de sua história, marcada pelos bons e maus momentos (vv. 2-10). Lembrar da força da mão poderosa de Deus, libertando-os do Egito, mas fazendo-os andar pelo deserto todos esses anos. Lembrar também que no deserto Deus não se esqueceu de seu povo: deu-lhe o maná, saciou-lhe a sede e jamais as sandálias daquelas pessoas se desgastaram. Uma boa retrospectiva de nosso ano que se foi nos fará ver Deus nos amparando nos maus momentos.

A segunda coisa que o povo é convidado a lembrar (vv. 11-18) é que tudo o que usufruirão na terra que estão indo conquistar não veio por esforço próprio, nem por merecimento, nem mesmo por conquista: são presentes que Deus deu ao povo. Moisés chama a atenção do povo para que lá na frente, depois de ter construído casas, morado nelas, plantado vinhas e bebido o vinho, não ignorasse o fato de que Deus estava no controle e não ele mesmo.

A palavra final de Moisés neste discurso é de extremo impacto: “se te esqueceres do Senhor, teu Deus, (...) protesto, hoje, contra vós outros que perecereis” (vv.19-20). Esquecer é como morrer. Aqui não temos somente uma palavra intimidadora, mas real: quando o povo se esquecer do Deus que o guardou por todo aquele caminho no deserto e que agora garantia a sua entrada na terra e sua próspera vida nela, certamente morreriam. Não por conta de vingança divina, mas porque perderiam sua história, sua vida, seu sentido. Se “recordar é viver”, precisamos manter viva a nossa história em nossas mentes e corações; precisamos nos lembrar sempre desse Deus que nos assiste em todos os momentos. Toda a nossa esperança de tempos melhores e de realizações está no passado e na história que Deus realizou em nossas vidas.

Feliz Ano Novo e que Deus nos abençoe.

Mensagens dos Pastores

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos.” - Filipenses 4,4

Leia mais

 

“Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. Está alguém alegre? Cante louvores.” - Tiago 5,13
Leia mais